O que é PHP: entenda de forma descomplicada

O Que é PHP?

Nesse artigo vamos falar sobre o que é PHP, uma das linguagens de programação mais utilizadas na Web.

Portanto, teremos os seguintes tópicos:

15% OFF

O que é PHP?

PHP significa PHP: Hypertext Preprocessor, ou seja, PHP: Preprocessador de Hypertexto. Originalmente significava Personal Home Page (Página Inicial Pessoal). É uma linguagem de script uso geral, muito utilizada, e especialmente adequada para o desenvolvimento web e que pode ser embutida dentro do HTML. O PHP é uma linguagem de programação de código aberto, ou seja, de uso livre, gratuito.

Com ele, é possível escrever pequenos scripts de forma procedural, ou ainda utilizar orientado a objetos, ou ambos. Portanto, com ela, é possível realizar a criação de sites dinâmicos, extensões para aplicativos e otimizar programas e sistemas operacionais.

Esta linguagem conversa muito bem com o HTML, por isso é muito comum sua utilização para o desenvolvimento WEB. É Possível mesclar código HTML com código PHP em um mesmo documento de forma simples e fácil. Porém, diferente do HTML, ela atua diretamente do lado do servidor, ou seja, é uma linguagem de “Desenvolvimento Back-End”.

É uma linguagem simples e de fácil aprendizado, mas que também possuem recursos avançados para programadores mais experientes. Possui uma comunidade bastante ativa e uma boa documentação. Portanto é muito utilizada para o desenvolvimento Web. Também possui diversos Frameworks e bibliotecas. Ainda é uma linguagem extremamente rápida e que esta sendo sempre atualizada.

Exemplo introdutório

Neste tópico, vamos iniciar um código PHP mesclando com o código HTML, apenas como um exemplo introdutório. Para poder utilizar o PHP dentro de um documento HTML, basta chamar as tags <?php para abertura e ?> para fechamento. Observe também que ao final de cada linha de código PHP, incluímos um “;” para indicarmos o final desta linha de código. Vejamos então o exemplo a seguir um arquivo com extensão .php, no caso, vamos utilizar o exemplo como index.php:

Ainda não tem um www

Dessa forma, nosso navegador mostrará a mensagem “Olá Mundo!”. Porém essa renderização será realizada através de um requisição do HTML para o servidor, ou seja, não será aberto diretamente no arquivo HTML. Ele irá realizar um requisição, onde o servidor informará e executará o código, e assim, teremos como resposta o nosso código em HTML “Olá Mundo!”.

Como surgiu o PHP

Por volta de 1994, o programador dinamarquês Rasmus Lerdorf, utilizava um conjunto de códigos binários CGI, escritos em linguagem C. Esse conjunto tinha o objetivo de fazer a ligação lógica entre dois sistemas ou servidores pela internet. Dessa forma, esse conjunto de códigos, que nada mais eram do que um aglomerado de scripts, foi inicialmente nomeado como PHP/Fi. Esta seria uma versão prematura do PHP. Com ele, Rasmus era capaz de monitorara o trafego de acessos ao seu site particular.

Com o passar do tempo, Rasmus foi desenvolvendo novos scripts, para incluir no seu site. Ou seja, esse pacote de  Scripts, foi ganhando mais recursos e implementações. Dessa forma, Rasmus Lerdorf renomeou seu produto para Personal Home Page Tools, ou PHP Tools. Portanto, o PHP passou a ser um conjunto de ferramentas úteis para integração entre sistemas e desenvolvimento de aplicações web sem muitas dificuldades.

Em 1995, Rasmus  então liberou o código fonte do PHP Tools para o público geral. Dessa forma, abriu-se as portas para que ideias de outros desenvolvedores pudessem mexer e otimizar a estrutura do código fonte  livremente. Foi assim que a linguagem foi se aperfeiçoando.

Dessa forma, o PHP Tools foi ganhando cada vez mais popularidade. A linguagem de programação ficou mundialmente conhecida como Personal Home Page (PHP) ainda em 1995. Mais tarde, em 1997, recebeu uma atualização em seu nome, passando  a ser PHP Hypertext Preprocessor.

Foi assim que o PHP Tools foi ganhando cada vez mais popularidade. A linguagem de programação ficou, então, mundialmente conhecida apenas como Personal Home Page (PHP) ainda em 1995. Algo que foi novamente atualizado em 1997, portanto passou a ser um acrônimo recursivo para PHP Hypertext Preprocessor.

A Evolução da linguagem

  • 1994 – PHP/Fi: Versão inicial criado por Rasmus Lerdorf. Esta seria uma versão prematura. Com ele, Rasmus era capaz de monitorara o trafego de acessos ao seu site particular.
  • 1997 – PHP2/Fi: Versão beta inicial, lançada em 1997, ainda não estava pronta para ser usada em produção.
  • 1997 – PHP3 – Dois programadores reformularam os códigos e lançaram o PHP3, mudando o nome de Personal Home Page, para PHP Hypertext PreprocessorA linguagem passou a ser orientado a objetos, possuir suporte para bancos de dados comerciais e novos protocolos.
  • 1999 – PHP4 – Implementou métodos para permitir maior interação com outros componentes e linguagens da web. Porém, essa versão apresentou um problema: a possibilidade de criar cópias de objetos. Isso porque a linguagem não trabalhava com handlers ou apontadores.
  • 2004 – PHP5 – reformulou sua orientação de objetos, trazendo mais visibilidade para interfaces e construtores, além disso, corrigiu os problemas da versão anterior. É uma das versões mais utilizadas.
  • 2015 – PHP7 – trouxe melhorias no desempenho e estabilidade, chegando dobrar o desempenho em algumas aplicações. A versão 7 foi rapidamente adotada por desenvolvedores em todo o mundo

Atualmente, a linguagem está na versão 7.2. Você pode ainda estar lendo mais sobre a história do PHP na própria documentação oficial.

Como funciona o PHP

O PHP é quase sempre utilizado em parceria com o HTML, outra linguagem de computação (não de programação). O HTML é utilizado para marcação de blocos estáticos para compor sua página na internet. Você pode aprender mais sobre o HTML em nosso artigo.

Porém, o HTML renderiza através do lado do cliente. Já o PHP realiza a a conexão com o HTML através de scripts que são interpretados e executados do lado do servidor. Ou seja, se um usuário quer acessar uma página da web, o PHP é executado do lado do servidor. Posteriormente, ele gera uma resposta, para que então seja renderizado um código HTML que será carregado na página do Navegador.

O mesmo processo acontece caso o usuário esteja trabalhando com PHP em conjunto a outras linguagens, como CSS (folhas de estilo) ou JavaScript.

Para entender melhor esse processo, vamos estudar os conceitos de Front End e de Back End.

Front End

O Front End é a área de desenvolvimento relacionado a tecnologia do lado do cliente (client-side). Ou seja, é a área de desenvolvimento que atua no que será renderizado diretamente no navegador do cliente. Podemos então dizer quer é a parte visual de uma aplicação web, como um site. Geralmente composto por tecnologias como HTML, CSS, JavaScript.

Areas de estudo de Front End

Back End

O Back End é a área de desenvolvimento relacionado a tecnologia do lado do servidor (server-side). Ou seja, é a parte “detrás” de um site. Através do Back End é possível realizar diversos sistemas, como por exemplo a validação de um formulário. Portanto, são scripts executados diretamente no servidor, e enviando a resposta para o lado do cliente. Geralmente é composto por um Banco de dados e Linguagem de programação, como por exemplo o PHP junto ao banco  de dados MySQL.

PHP e seu mascote (elefante)

A interação entre o Front End e o Back End

Agora que já entendemos o que são cada uma separadamente, vamos então compreender a interação e relação entre elas.

De um forma geral podemos dizer que a interação entre eles acontece nas  seguintes etapas:

  • O cliente, ou usuário, faz uma ação no navegador;
  • Posteriormente, o navegador então faz uma requisição ao servidor;
  • O servidor recebe esta requisição e interpreta, no lado do servidor;
  • O servidor então executa o código e envia uma resposta ao navegador;
  • Finalmente, o navegador irá renderizar e “cuidar” de todo o resto, ou seja, ao lado do cliente.

Portanto, seria como na imagem abaixo:

Interação entre o Front End e o Back End

As vantagens do PHP

O PHP é uma das linguagens de Programação mais utilizadas no mundo inteiro. As vantagens de seu uso atendem necessidades tanto de usuários inexperientes e iniciantes quanto a experientes em programação e desenvolvimento para internet. Vamos conhecer aqui alguma de suas principais vantagens:

1. Fácil aprendizagem: 

Talvez uma das principais características do PHP é que ela é de fácil aprendizagem. Através da própria documentação oficial você já é capaz de aprender muita coisa. Portanto, a linguagem é uma das mais acessíveis para aprender a usar. Sua sintaxe (regras da lógica de programação) tem padrões fáceis de memorizar e entender. Outra vantagem, é que se você já tem alguma noção de linguagem C ou Java, vai se sentir bem confortável e em um ambiente familiar. Mas caso seja iniciante, também se sentirá confortável em aprender.

2. Possui Código Aberto:

A linguagem possui código aberta, ou seja, é gratuita para qualquer usuário. Além disso, permite que desenvolvedores e programadores experientes tenham acesso e possam fazer alterações e atualizações periódicas no seu código fonte. Dessa forma, o PHP está sempre ganhando mais recursos, estabilidades e possuindo menos erros.

3. Possui alto desempenho: 

O PHP é uma linguagem capaz de suportar grandes quantidades de dados. Ou seja, consegue executar muitas funções e consumir muitos recursos ao mesmo tempo sem comprometer o desempenho e a velocidade do servidor em que se encontra hospedado.

4. Compatibilidade com Banco de dados:

A linguagem PHP é compatível com os principais tipos de bancos de dados, como MySQL, SQLite, Firebird, Interbase e Oracle.

5. É multiplataforma:

Isso significa que os usuários podem utilizar e rodar a linguagem PHP numa variedade de sistemas operacionais. Windows, Linux (e suas distribuições) e MacOS são alguns deles. O mesmo acontece entre os navegadores, ele é compatível com o Chrome, Safari, Edge, Firefox e Opera, entre outros.

6. Ampla comunidade e constante atualizações: 

O PHP possui uma comunidade muito ampla e ativa, além disso está sempre em constante atualizações. Isso garante sua constante melhora, além de facilitar o usuário ao buscar informações. Um dos principais meios de estar se informando é através da sua documentação oficial, que também é disponibilizada em português.

7. É a linguagem de programação do WordPress:

O WordPress é um dos CMS mais utilizados no mundo inteiro. Ele é baseado na linguagem PHP, toda sua programação é feita com ele. Você pode usá-lo para modificar os plugins e temas disponíveis ou ainda criar o seu próprio. Portanto, para ser um desenvolvedor WordPress completo, é obrigatório ter conhecimento sobre a linguagem PHP.

8. Possui uma grande quantidade de framework e bibliotecas

O que não faltam são opções de frameworks e bibliotecas para o PHP. Como exemplos de Frameworks conhecidos temos o Laravel, o CodeIgniter, o Zend e o Symfony. Esses frameworks e bibliotecas facilitam muito a vida de um desenvolvedor, possibilitando então realizar atividades complexas em bem menos tempos e com bem menos linhas de código. Portanto, possuir uma grande quantidade deles disponível é uma das grandes vantagens que a linguagem PHP nos possibilita.

O que podemos fazer com o PHP

O PHP é uma linguagem com ênfase no Back End, ou seja, principalmente em scripts do lado do servidor. Portanto, você pode fazer qualquer coisa que outro programa CGI pode fazer, como coletar dados de formulários, gerar páginas com conteúdo dinâmico ou enviar e receber cookies. Mas com ele pode-se fazer muito mais. Vamos ver aqui alguma das principais coisas que podemos fazer com essa linguagem. Você também pode ler mais sobre na documentação oficial.

1. Sites Dinâmicos

Sites dinâmicos são aqueles em que os elementos mostrados neles não ficam estáticos. Ou seja, suas páginas são gerenciadas por uma aplicação hospedada no servidor, um sistema do lado do servidor (Back End). Com o PHP é possível montar diversos tipos de sites dinâmicos. Com isso, através do PHP, podemos determinar como uma página será mostrada quando for carregada no navegador. Um bom exemplo dessa utilidade são as URLs amigáveis, onde você mantém um site dinâmico e com aparência profissional. Outro exemplo de sites dinâmicos são com plataformas de publicação de conteúdos dinâmicos, como WordPress, Drupal, Joomla, Magento e OpenCart.

2. Aplicações Web

O PHP permite criar aplicações para qualquer tipo de finalidade na web. Podemos criar um fórum por exemplo, ou ainda criar uma loja virtual. Podemos também incluir formulários de contato em nossas páginas. Pode-se ainda criar sistemas de interação entre os usuários de um fórum. Tudo isso é possível usando a linguagem de programação PHP.

3. Sistemas para Web

Sistemas são conjuntos de dados e informações que se integram e se comunicam uns com os outros. No caso, podemos utilizar o PHP para criar serviços, sistemas, para a Web com o objetivo de atender uma determinada finalidade. Ou seja, podemos criar um sistema de cursos onlines, uma plataforma de curso EAD. Podemos também criar sistemas financeiros para uma empresa. Ou podemos ainda criar sistemas específicos para determinada empresa em que apenas seus funcionários possam acessa-los. É possível criar uma infinidade de sistemas para Web.

Além disso, não necessariamente precisamos estar com esses sistemas publicados na internet. É possível rodar o PHP em um servidor local, de forma que apenas usuários conectados a uma rede interna teriam acesso.

4. Scripts de linha de comando

Também é possível disparar scripts PHP diretamente do terminal, usando linha de comando. Dessa forma, não é necessário um servidor ou navegador parar executa-lo. Apenas o interpretador do PHP será necessário para que você possa rodar shell scripts com a linguagem.

Esse tipo de uso é ideal para script executados usando o cron (Unix, Linux) ou o Agendador de Tarefas (no Windows). Esses scripts podem ser usados também para rotinas de processamento de texto simples.

Você pode estar vendo mais sobre o projeto PHP-CLI ou ainda através do manual oficial: “Usando PHP a partir da linha de comando”.

5. Sistemas e aplicações para Desktop

Apesar de o PHP não ter como esse objetivo, é possível estar utilizando para a criação de sistemas e aplicações para desktop. Porém o PHP provavelmente não é a melhor linguagem para criação de aplicações desktop com interfaces gráficas.

Portanto, se você conhece bem o PHP e se sente a vontade com essa linguagem, existe então uma biblioteca chamada PHP-GTK que lhe permite fazer sistemas e aplicações para desktop utilizando o PHP.

Para isso, existe uma biblioteca, chamada de PHP-GTK. Se você conhece bem o PHP e se sente à vontade com a linguagem, então esta biblioteca pode ser uma ótima solução para construir um programa instalado. Você também tem a possibilidade de escrever aplicações multi-plataformas desse jeito.

6. Plugins e temas para WordPress

Não poderíamos deixar de fora da nossa lista essa que é uma das grandes utilidades do PHP nos dias de hoje. A partir dele podemos desenvolver nossos próprios plugins e até temas para o WordPress, o CMS (Sistema de Gerenciamento de Conteúdo) mais usado no mundo.

O que é necessário para utilizar o PHP

A maioria dos servidores de hospedagem, como a HomeHost, já possuem suporte para o PHP, ou seja, você não precisa fazer nada! Basta estar utilizando arquivos com a extensão .php e os mesmos serão tratados e interpretados automaticamente pelo servidor como arquivos PHP. Não há necessidade de compilar nada nem é necessário instalar qualquer ferramenta extra. Dessa forma, pense que os arquivos PHP são como simples documentos HTML porém com uma nova variedade de tags quer permitem fazer diversos tipo de coisas.

Porém, caso queira rodar localmente, é necessário instalar um servidor Apache, o download e instalação do PHP e caso tenha interesse, instalar também um banco de dados, como o MySQL. Isso torna um pouco complexo, porém temos uma dica para vocês criarem seus servidores e rodarem arquivos .php localmente de forma rápida e fácil através do XAMPP.

Você pode estar lendo mais sobre na documentação oficial.

Utilizando o PHP em um servidor local

Existem diversas formas de estar criando um servidor local, e rodar o PHP. Vale ressaltar que para isso, é necessário a instalação de um servidor apache, assim como também do próprio PHP. Porém existem sistemas que nos permitem fazer isso de uma forma muito mais rápida e fácil, como o XAMPP, que é um ambiente de desenvolvimento PHP completo.

Servidor Apache

O servidor Apache é um servidor web que utiliza protocolo HTTP. É um servidor estável e seguro. Também é multiplataforma, sendo possível utiliza-lo no Windows, no MacOS e no Linux.

Atualmente é um dos servidores mais utilizados.

XAMPP

O XAMPP é um pequeno software que permite que emulemos um servidor Apache em nosso próprio computador. Ele cria um servidor local equipado com o Apache e outros recursos, além de ser capaz de processar PHP. Portanto, a partir da instalação dele, podemos operar como se o cliente e o servidor fossem dois pontos distintos, embora estejam rodando na mesma máquina.

Em outras palavras, o XAMPP atua como um servidor “WAMP”, ou seja, uma máquina com o sistema operacional Windows rodando um pacote que inclui o Apache, o MySQL e o PHP. O pacote de código aberto do XAMPP foi criado para ser extremamente fácil de instalar e de usar.

Instalando e utilizando o XAMPP

Para instalar o XAMPP, basta estar acessando https://www.apachefriends.org/pt_br/index.html e baixar o produto. Após isso basta executar os procedimentos de instalação. Após finalizado abra e você terá uma tela como a seguinte:

Tela inicial do XAMPP

Posteriormente, basta clicar no botão start para os módulos Apache, e caso deseje utilizar o banco de dados, o MySQL. Dessa forma, eles ficaram com os status verde como na imagem abaixo, o que significa que seu servidor local já está disponível.

Xampp ativado

Agora basta estar digitando no seu navegador localhost e você terá acesso a todos os arquivos do seu servidor local. Para poder colocar arquivos em seu servidor local, basta estar localizando no diretório do XAMPP a pasta HTDOCS (geralmente localizada em C:\xampp\htdocs). Vamos criar uma pasta denominada MINHA_PAGINA dentro dele e acessar o URL localhost para verificar o que ocorre:

O que é PHP: Acessando o localhost com o MINHA_PASTA

Caso inclua qualquer arquivo .php ou com outra extensão dentro da pasta, teremos então acesso a nossos documentos de forma local. Experimente criar um arquivo index.php com o nosso exemplo introdutório e incluir nessa pasta.

Exemplo Prático 1 – Variáveis e Operações matemáticas

Se você chegou até aqui, já deve estar ambientado e familiarizado com tudo que o PHP pode fazer. Vamos agora para alguns exemplos práticos. Nesse primeiro exemplo vamos introduzir o conceito de variáveis, assim como algumas funções matemáticas, e ao final um exemplo mais completo de um código prático.

Variáveis em PHP

Uma variável é um espaço na memória do computador destinado a um dado que é alterado durante a execução do algoritmo. Veja os diferentes tipos de dados:

  • inteiros: números inteiros (0, 1, 2 , 3…)
  • reais: números inteiros e decimais (0; 1,2; 2,1; 3)
  • Strings (caracteres): números reais, letras e outros símbolos
  • Booleano: comandos de VERDADEIRO ou FALSO

O PHP é uma linguagem de tipagem fraca. Ou seja, significa que o PHP identifica e altera automaticamente o tipo da variável, dependendo da operação que for realizada no valor da variável. Portanto isso o torna a tipagem dinâmica, ou seja, sem necessidade de informar um tipo fixo.

As variáveis no PHP são identificadas pelo simbolo do dólar ($), seguido por um nome identificador, este nome identificador deve seguir algumas regras, confira:

  • Deve conter apenas letras( a-z, A-Z ), números e underscore/sublinhado( _ )
  • Precisa iniciar com uma letra ou underscore/sublinhado
  • Case-sensitive, ou seja, $var é diferente de $VAR

Vejamos então o seguinte exemplo. Se você está rodando o arquivo localmente conforme explicamos até aqui, inclua na pasta MINHA_PAGINA um arquivo index.php contendo o seguinte código:

Dessa forma, o resultado ao abrir localmente (localhost) nossa MINHA_PAGINA será:

Exemplo do uso de Variável em PHP

Vamos agora utilizar uma variável do tipo string para ver o resultado:

Dessa forma, o resultado ao abrir localmente (localhost) nossa MINHA_PAGINA será:

Exemplo de Variável do tipo String

Operações matemáticas

Para realizar operações matemáticas podemos simplesmente utilizar os caracteres abaixo:

Caracteres Significado
+ Adição
Subtração
* Multiplicação
/ Divisão
Realizando uma Soma

Vejamos o exemplo abaixo, criaremos três variáveis. A primeira receberá o valor 10, a segunda o valor 5. Por fim, criaremos uma variável para realizar a soma de ambas e assim imprimir na tela o resultado.

Nesse exemplo, teremos impresso na tela o valor 15.

Realizando uma Subtração

Utilizando os mesmos valores de a e b, conforme o exemplo anterior, vamos agora realizar uma subtração.

Nesse exemplo, teremos impresso na tela o valor 5.

Realizando uma Multiplicação

Utilizando os mesmos valores de a e b, conforme o exemplo anterior, vamos agora realizar uma multiplicação.

Nesse exemplo, teremos impresso na tela o valor 50.

Realizando uma Divisão

Utilizando os mesmos valores de a e b, conforme o exemplo anterior, vamos agora realizar uma divisão.

Nesse exemplo, teremos impresso na tela o valor 2.

Mesclando Strings com Numerais

Podemos também mesclar string com numerais. Vejamos o exemplo abaixo:

Observe que utilizamos o “.” para realizar a concatenação entre ambas as variáveis. Dessa forma, o resultado ao abrir localmente (localhost) nossa MINHA_PAGINA será:

Exemplo final

Vamos agora realizar todas as operações matemáticas estudadas anteriormente, e finalizar imprimindo na tela o valor de cada uma delas. Porém, na função ECHO, vamos utilizar o “.” para realizar a concatenação.

Portanto, teremos como resultado na nossa tela o seguinte:

Exemplo Prático 01 de aplicações matemáticas com PHP

Com isso, concluímos então nosso primeiro exemplo prático, onde utilizamos variáveis para gerar dados dinâmicos a nossa página.

Exemplo Prático 2 – Sistema de cálculo de IMC

Neste exemplo vamos explorar um pouco mais a capacidade do PHP. Vamos criar um formulário HTML para receber dados de nome, altura e peso. Através do PHP, vamos realizar a coleta desses dados do formulário e lidar com eles. Dessa forma, criaremos um sistema de cálculo de IMC (índice de massa corporal).

O IMC é calculado dividindo o peso pela altura elevada ao quadrado. Ou seja, de forma mais simples, você multiplica sua altura por ela mesma e depois divide seu peso pelo resultado da última conta.

HTML do nosso sistema

Para iniciar vamos criar uma estrutura simples contendo formulário para coletar os dados que queremos:

Dessa forma, já vamos obter o seguinte resultado ao abrir nossa página:

Exemplo do formulário HTML do nosso sistema de calculo de IMC

Por enquanto, se clicarmos no botão de enviar, apenas será feito uma requisição GET, mas nada ocorrerá. Vamos então preparar nosso sistema com o PHP.

Coletando os dados do formulário

Para coletar os dados do formulário utilizamos a variável pré existente $_GET[“”], onde entre as aspas, vamos coletar os valores que queremos. Vamos então iniciar com a função condicional que irá verificar se algo é verdadeiro. Portanto, usaremos a função isset para verificar se existe um valor de enviar. Está função verifica se uma variável já foi inicializada, retornando true caso o valor da variável seja diferente de null.

A partir de então, nosso sistema já é capaz de saber se o botão enviar foi clicado.

Vamos então coletar os dados do formulário e joga-los para dentro de variáveis:

Agora nosso sistema já possui praticamente todos os dados que queremos. Vamos então acrescentar os valores de divisão para a altura e peso, para converter de centímetros para metros e de gramas para quilogramas. Por fim, consequentemente, vamos incluir uma variável contendo a operação matemática do nosso calculo de IMC:

Nossa aplicação por si só já está completa. Porém vamos então finalizar de forma que ela nos retorne uma mensagem dinâmica na nossa tela:

Pronto, finalmente concluímos o código do nosso sistema.

Finalizando e testando nosso sistema

Agora que já temos o código do nosso formulário e também todo o nosso código do sistema de calculo, teremos então como resultado final o seguinte código:

Vamos então digitar alguns valores no nosso formulário e verificar o que acontece:

Testando nosso sistema de calculo de IMC

Assim, ao clicar no botão enviar, nosso sistema irá fazer uma requisição. Através disso, teremos então todo nosso código funcionando, pois agora o botão com o valor enviar existe, e assim teremos o seguinte resultado impresso em nossa tela:

Resultado final do Sistema PHP de calculo de IMC

Portanto, de forma simples, fácil e rápida, temos um sistema completo feito em PHP. Caso queira conhecer mais sobre formulários HTML e formas de envio por e-mail, pode estar acessando nosso artigo sobre formulário HTML.

Conclusão

Se você chegou até aqui com certeza já entendeu bem o que é o PHP e o quanto ele é poderoso. Portanto, recomendamos que tenha praticado com nossos exemplos práticos, porém continuem seus estudos.

A comunidade do PHP é muito ampla e com certeza não faltará conteúdo para você estudar e começar a desenvolver seus próprios sistemas Web. Você pode estar utilizando a documentação oficial, a documentação da W3CSchools sobre PHP, ou ainda buscar por cursos e livros. Também recomendamos que busquem aprendizado em livros, ou ainda em cursos. Existem uma diversidade de conhecimento publicado sobre PHP e não faltará conteúdo para você, mesmo que seja um completo iniciante ou já seja um profissional.

O que conclui-se é que o PHP é uma linguagem de programação com objetivo de desenvolvimento Web muito versátil e que oferece recursos muito importantes para o desenvolvimento. Com certeza ainda será muito utilizada ao longo dos anos e ainda receberá diversas atualizações. Portanto, se você tem interesse no desenvolvimento web, desenvolvimento Back-End ou Full-Stack, ou ainda desenvolvimento de WordPress, aprender o PHP, assim como o HTML é uma das melhores coisas que você pode fazer!

Publicado por

Rafael Marques

Desenvolvedor Web especialista em Front End apaixonado por tecnologia! www.instagram.com/rafaelmarquesdev/ linkedin.com/in/rafamarquesrmb/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

hhchat